Follow by Email

domingo, 9 de outubro de 2011

Alguns momentos no Ilê Axé Xaxará de Prata

Bem, como sabem, sou casado com Sueli que é a Yá da Casa Xaxará de Prata e nesses anos de trabalho e ações afirmativas juntos, posso dizer que já passamos umas boas situações que até hoje servem de exemplo para os membros da Casa.







Hoje basta fazer a busca no Google Imagens como "xaxara de prata" e logo aparecem fotos de nosso Ilê, mas nem sempre foi assim....

Começamos nossos trabalhos como, digamos, correntes para chamar nossas entidades ainda em 2004 na Quadra 15 em Sobradinho, onde com um lé (atabaque menor) eu tocava o ritmo sagrado para invocar nossos caboclos.






Fizemos algumas correntes e o mais interessante é que morávamos de aluguel com outros inquilinos mas nem isso nos impediu de louvar nossas divindades.

Em 2006 inauguramos uma loja de Artigos Religiosos de Umbanda e Candomblé chamada Casa de Xangô aqui mesmo em Sobradinho e nos mudamos para Nova Colina, onde é atualmente o Ilê Axé Xaxará de Prata.





Logo mudando começamos nossa missão. Em agosto de 2006 fizemos uma grande festa para Tiriri na Aldeia Sultão da Mata Virgem. A festa foi toda gravada mas não temos fotos.





Tenho algumas fotos que mostram um pouco de nossa entrada no Ilêquando não tínhamos teto, ou melhor, o teto era o céu.


O orixá nunca deixou de ser louvado e cultuado.








Acima Joice no Adjá levando Seu tiriri seguido por Equede Nena, Seu Marabô, Seu João e Dona Figueira.












Olha seu Zé dando o ar da graça com muito axé!



















 Fernando de Xangô, membro da Casa, trouxe para aliviar os dias de sol e chuva uma cobertura profissional para auxiliar nesse começo.


E ficou muito bom, vamos as fotos.














Meu compadre, padrinho da Laira e repórter do Barra Pesada Filipão!







A festa foi animada, olha a roda de Caboclo:


























































Bom pessoal, depois de dividir um pouco de nossa história com voces, peço a uma renomada Zeladora de Santo para nos dar uma bênção e um axé a todos leitores do blog: 







Axé! Obrigado por ler esse pouco do que tenho vivido durante anos.


Se não viu ainda tem vários outros posts falando um pouco dessa vida no Santo que é tão bonita.


Axé!












domingo, 2 de outubro de 2011

Vamos falar de Cosme e Damião ou Ibeji? Erê, Beijada, Vunje, Crianças, vamos falar sobre eles?

Uma definição somente não comporta tamanha força desses seres iluminados com trejeitos infantis, mas que de bobos não tem nada!












Então, desde garoto convivo com esses seres porque já trabalhei com vários erês e o que responde até hoje é o Pinguinho de Pedra.

Mãe Osmarina o batizou de Pedrinho


Responde como Pinguinho de Pedra pela a explicação que para a pedra chegar a pingar, deve se transformar num estado líquido em altíssima temperatura, conhecemos tambem como lava. Esse é o Pinguinho...











Bem esse mesmo Erê já tomou a identidade de um outro chamado Cosminho e muito danado e marcador do que fala e promete e também cobrador do que o prometem.

Uma vez pelos anos de 1992 ou 1993, uma amiga nossa dona de um Gongá na Quadra 15, a Sr Enésia, trabalhammos com as entidades e chegou o erê que pediu, se possível, um pedaço de melancia. Dona Enésia esclareceu que não tinha na hora mas disse ao erê que ele viesse no outro dia para comer a tal melancia. Marcou a hora e tudo.






Pois é, nossa Amiga Dona Raimunda nem se lembrava mais,e eu nem sabia, mas não é que Dona Raimunda estava vindo pra casa quando deu vontade de passar na casa de Dona Enésia, e eu morava na Quadra 18, acho que os professores estavam em greve, quando do nada virei no Erê que abraçando meus coleguinhas disse que ia comer melancia!!!!!!!!!


Pronto, esse Erê na minha cabeça colocou a sandália havaiana na boca, meus colegas ficaram assustados, e desceu da Quadra 18 para a 15 de Sobradinho DF correndo atras da melancia.

Chegando lá dizem que foi aquela correria, Dona Raimunda já estava , mas faltava a melancia kkkk

Dona Enésia e Dona Raimunda providenciaram na hora e esse Erê ficou lá até altas horas comendo melancia.

Depois eu conto a história das tripinhas...